RECEBA AS NOVIDADES DO BLOG EM PRIMEIRA MÃO!

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

New F800GS now in dealerships! You'll treat it?

Para versão em português, clique AQUI

In July last year, we talked about the arrival of the new F800GS. If you want to remember, follow the link HERE
  

Almost a year has passed for the "novelty" could come from Europe to Brasil, demonstrating once again that although the market is the fifth larger BMW motorcycle consumer and the dealership that most sell BMW motorcycles are placed in here (the very first placed BMW dealership is placed in Brazil) our contry is not in BMW's list of priorities... As everything has good side, teh F800GS arready comes more than tested and re-tested and being given enough time even to correct any failure that may exist.

Surprisingly - and when we talk about Brazil it's really very surprising even - it comes with the SAME price to the previous version. Exactly R$ 42,900.00 (forty two thousand and nine hundred "reais"). Good price? Yes to a motorcycle of such high level which faces competitors like Triumph with it's Tiger 800XC almost with no dealership or spare parts avaliable for the customers of "terra brasilis" keep one eye open. No if you check that is has the same value as a midsize sedan. Not if you consider that it costs outside Brasil exactly 10,750.00 EUROS, which converted to our currency, based on today's quotation it costs a "bargain" of R$ 27,812.00, which would be more than a fair price once compared to the price of better equiped car in Brazil.

Yes It's sad ... We pay over 50% of taxes and even if it comes in "CKD" mode to be mounted in Manaus by Dafra, if you are hoping a lower price... Forget it! Otherwise move to another country.

Skipping this "litlle" matter about price; all the comments in the july last year's post are worth it. Despite the "facelift" - or plastic parts - anything that has not been said already, especially about the "ESA" and "ASC" (electronic damping control and traction, respectively). But, wait! Do not go getting excited because the bikes presented above and with the price, because the standart comes solely with the traction control, and it is so far too good. Better not speak too loud because it was not supposed to be "standard item". Thus, the damping control (ESA), seems to be forgotten. They say it's an item that can be requested. And if so, estimate it around three thousands reais, more manpower to have the component on the bike.

And I say more ... For my part, if it is "only" that, I would pay for it gladly because as I said, only those who have ridden a bike with ESA know the difference that "this single thing" is able to do with the chassis of the bike when well regulated to the ground by the pilot. Something almost priceless, it is capable to lead the bike to a condition nearly to a sport bike - sticking tight while fast cornering - and turning to condition for fully able to off road lifting the shock absorbers and consequently rising center of gravity, making the system more soft, but firm, etc. Finally, a significant change that can be performed even with the bike running (which is not the most advisable when going to move the ESA. The best being do use it when the bike is stopped).

In regards the collors it is that greenish brown (or would be brownish green?) and white. Do not ask where is the blue one in the picture in here along with its biggest enemy. The blue exist, but it stood there in Europe yet. After all, what Brazilian think they are to require all colors? We're just one of the biggest buyers of BMW motorcycles ... But it's just a detail.

Before my friend, the one who always sends me the best gifts of Minas ask me, I'll already answer: NO! The tires do not come without tubes. I keeps comming with the "good" old tubed tires under the argument that it is more resistant to off road. Well  BMW could speak at list that is a matter of cost. At least I never get offended with the truth and it doesn't matter who it hurts. Thus, in the case of tire puncture in the middle of nowhere, forget the practice "little worm" and go get to dismount it - and then reassemble it again - all junk. Always take the tools to do so, becaus it is obvious the one that come with the bike are not more useful than one or another use to tight  screws.

But take a bunch of Touratech accessories, a high windshield that effectively protects a bit from the weather (the original is so small and  only serves as embellishment at most) a good side cases and a "dry bag" by Örtlieb, and it will certainly becomes gorgeous to kill and you - and perhaps my friend from Minas - will forget these meager details about the tubed tires or the poor toolkit. Not to mention that bike is able to take you to the end of the world in safety and comfort. Of course, with an extra gallon of fuel, but nothing that makes you shake in fear.

Anyway ... When you buy yours, do not forget the friend here for a "test drive"! Because I'll only buy mine a year from now on. After all, I don't like queues. And for that it will be, oh it will. Oh, yes!

See you soon!

Nova F800GS já nas concessionárias! Vai encarar?

For english version click HERE

Em julho do ano passado, já falávamos da chegada da nova F800GS. Quem quiser relembrar, segue o link AQUI
 


Pois quase um ano se passou para a "novidade" chegar da Europa nas terras tupiniquins, mostrando mais uma vez que embora o mercado brasileiro seja o quinto maior consumidor das motos da BMW e as concessionárias que mais vendem estejam aqui (sendo a primeiríssima colocada uma concessionária brasileira), não está em sua lista de prioridades... Como tudo tem lado bom, as mesmas já chegam mais do que testadas e re-testadas, tendo dado tempo, inclusive, para correção de eventual falha que porventura existisse.

Surpreendentemente – e se falando de Brasil é algo muito surpreendente mesmo – ela chega com valor IDÊNTCO ao da versão anterior. Exatos R$ 42.900,00 (quarenta e dois mil e novecentos reais). Valor bom? Sim para uma moto do porte frente as concorrentes (a Triumph com sua Tiger 800XC, quase sem concessionárias e sem esperanças de peças de reposição para o consumidor das “terras brasilis”, que abra o olho). Não se imaginarmos que é o mesmo valor de um sedã médio. Não se pensarmos que lá fora ela custa exatos 10.750,00 EUROS, o que se convertermos para nossa moeda, na cotação de hoje chega a uns “míseros” R$ 27.812,00, o que, aí sim, seria valor mais do que justo, pois comparável ao valor de um carro popular melhorzinho. 

Sim. É triste... Pagamos mais de 50% de impostos frouxo, ainda que ela venha em “CKD” para ser montada em Manaus pela Dafra. Esperança que baixe de preço? Esqueça! Ou se mude de país. 

Pulando essa questão “menor” de valores, vale o todo anteriormente comentado no post de julho do ano passado. Fora o “facelift” - ou plásticos, sem enrolar muito – nada que não se tenha dito, sobretudo quanto ao “ESA” e “ASC” (controle eletrônico de amortecimento e de tração, respectivamente). Mas calma lá! Não vá se empolgando, pois as motos apresentadas e no valor supra vem tão somente com o controle de tração, e já está bom demais. Melhor não falar muito alto porque, aparentemente, não era prá ser item “de série”. Assim, o controle de amortecimento (ESA), até parece que foi esquecido. Dizem as concessionárias que é item que pode ser solicitado. E se assim é, conte com pagar por baixo mais uns três mil, mais mão de obra para ter o componente na moto. 

E digo mais... Eu de minha parte, se for “só” isso, pagaria com gosto, pois, como já referi, só quem já andou numa moto com ESA sabe da diferença que essa “bobagenzinha” é capaz de fazer com a ciclística da moto quando bem regulado para o terreno pelo piloto. Algo quase impagável, capaz de levar a moto de uma condição esportiva – grudando firme nas curvas de alta – para uma condição completamente apta ao off road – subindo amortecedores e por conseqüência centro de gravidade, deixando o sistema mais macio, ainda que firme, etc. Enfim, uma sensível mudança que pode ser executada até mesmo com a moto rodando (o que não é o mais recomendável quando vai se mexer no ESA, sendo o melhor fazer isso com ela parada).  

Quanto as cores é aquele castanho esverdeado (ou seria verde acastanhado?) e o branco. Não pergunte onde está a azul da foto aí ao lado junto com a sua maior concorrente. A azul existe, mas ficou lá pela Europa mesmo. Afinal, o que brasileiro acha que é querendo exigir todas as cores? Só um dos maiores compradores de motos BMW... O que é só um detalhe.

Antes que aquele meu amigo lá que me manda sempre os melhores presentes de Minas pergunte, já respondo: NÃO! Os pneus não vem sem câmara de ar. Continuam com a “boa” e velha câmara, sob o pretexto de que é mais resistente ao off road. Bem que a BMW podia falar de uma vez que é por uma questão de custo. Eu, pelo menos, não me ofendo nunca com a verdade, por mais que doa. Assim, no caso de furo em pneu no meio do nada, esqueça a prática “minhoquinha” e parta prá desmontar – e depois remontar tudo de novo – toda tranqueira. Leve sempre as ferramentas para tanto, pois é o óbvio que as que vem com a moto não servem mais do que para apertar um ou outro parafuso. 

Mas enfie uma porrada de acessórios da Touratech, uma bolha alta que efetivamente proteja um pouco das intempéries (a original é tão pequena que só serve de enfeite quando muito) umas boas malas laterais e um "dry bag" que ela certamente fica linda de morrer e você - e quiçá meu amigo mineiro - vai até esquecer esses míseros detalhes do pneu e sua câmara ou do kit de ferramentas medíocre. Sem contar que é moto apta a lhe levar até o fim do mundo com segurança e conforto. Claro, com um galão de combustível extra, mas nada que ponha medo. 

Enfim... Quando comprar a sua, não esqueça do amigo aqui para um “test drive”! Porque a minha só compro daqui a um ano. Afinal, não gosto de filas. Pois que vai ter, vai. Ah, vai!

Até breve!


quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Smell like a motorcycle trip - a tribute to all new parents

Para a versão em português, clique AQUI

Some days, I do not know why, I feel a smell of motorcycle trip ...

I do not know if because of an image or photo that I saw a big trail that passes alongside charged or simply because of a perfect curve where traffic seems to have forgotten to happen for a few seconds and left me there, alone, to draw asphalt. 

Some days, I do not know why, I feel a longing for those landscapes ...

I saw these landscapes and much of what I saw, perhaps on behalf of another photo, an ad on the Internet, the news from a friend starting another long journey, shining a bike that I will not even stop in the shop window of the way.


Some days, I do not know why, I feel a desire to go further ...

Turn south or east of preference, try one more time the long straights Argentine, reeking with the smell of eucalyptus in the dewy dawn and defrost there the months of September, feeling the cold aching hands makes me hold the cup boiling coffee in a "estación de servicio" and still not warm them.
Some days, I do not know why, I feel an uncontrollable urge to ride...
Feel the waist embraced by my wife, my beloved, to support the helmet on my back to hide the higher speed in overdrive, a tightening of the thigh or shoulder massage, with nothing to say we need to understand each other, that our ballet dancing together - that's just our - every elbow highway.

Some days, I do not know why, I just need to find me ...

Myself with people I love most, with only those who still do not like or sympathize with those who do not know, friends of road that I have not done with any old man standing on the edge of the track to shake me wishing "suerte "in my trip, as it wishing I had luck in life and is fundamentally know well enjoy it before it gets as or older than him, before time simply go.
And there are days, ah ... There are days ...

I just wish I could end the long wait once again just run with nothing more to worry about not knowing where the guy I call Adv, Kyt and Kyd will soon arrive.


But there's nights that I do not know why, just what I want is imagine...

And tell a story to my son about the bear who rode your bike and ran the world, searching for friends, new landascapes, new places, feel the cold and the rain, the heat of the sun, finally, to understand himself and even life. So I just want to see him close his eyes with a smile on his face and the certainty that life is worth a lot to the penalty.



And you? There are days like this too?


See you soon!

Cheiro de viagem de moto - uma homenagem à todos novos pais

For english version, click HERE

Tem dias que, não sei porquê, sinto um cheiro de viagem de moto...

Não sei se por conta de uma imagem ou foto que vi, de uma big trail que passa carregada ao lado ou simplesmente por conta de uma curva perfeita onde o trânsito parece ter esquecido de acontecer por alguns segundos e me deixou lá, sozinho, a traçar o asfalto.

Tem dias que, não sei porquê, sinto uma saudade daquelas paisagens...

Paisagens estas que vi e muito mais das que não vi, talvez por conta de outra foto, um anúncio na internet, a notícia de um amigo iniciando mais uma longa jornada, uma moto reluzente que ainda não terei parada na vitrine da loja do caminho. 

Tem dias que, não sei porquê, sinto uma vontade de ir mais longe...

Rodar para o sul ou a leste de preferência, experimentar mais um vez as longas retas argentinas, com aquele cheiro rescendendo a eucalipto no amanhecer orvalhado e do degelo lá dos meses de setembro, sentir o frio doendo nas mãos que me faz segurar a xícara de café fervendo em uma “estación de servicio” e ainda assim não aquecê-las.

Tem dias que, não sei porquê, sinto um desejo incontrolável de pilotar...

Sentir a cintura abraçada por minha esposa, minha amada, a apoiar o capacete em minhas costas para se esconder da velocidade maior na ultrapassagem, um aperto na coxa ou uma massagem nos ombros, sem nada precisarmos dizer para nos entendermos, dançando juntos aquele nosso balé – que é só nosso – a cada cotovelo da rodovia.

Tem dias que, não sei porquê, sinto que simplesmente preciso me encontrar...

Comigo mesmo, com as pessoas que mais amo, com aquelas que só gosto ou que ainda não simpatizo, com quem não conheço, com os amigos de estrada que ainda não fiz, com algum velho parado na beira da via a me abanar desejando “suerte” em minha viagem, como que desejando que eu tenha sorte é na vida e fundamentalmente saiba bem aproveitá-la, antes que fique tão ou mais velho do que ele, antes que o tempo simplesmente se vá.


E tem dias, ah... Tem dias...

Que eu só queria poder acabar com a longa espera de mais uma vez simplesmente rodar sem nada mais a me preocupar que não fosse saber onde eu, Kyt e Kyd iremos em breve chegar.

Mas tem noites que, não sei porquê, só o que quero é imaginar...

E contar uma história para meu filho, sobre o ursinho que andava de moto e percorria o mundo inteiro, em busca de amigos, de novas paisagens, novos lugares, sentir o frio e a chuva, o calor do sol, para enfim, entender à si mesmo e a vida. Então só quero vê-lo fechar os olhos com um sorriso no rosto e a certeza que a vida vale muito à pena.  

E você? Tem dias e noites assim também? 

Até breve!

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Ups and downs of life and ... bikes of course!

Para versão em português, clique AQUI

For those days that had passed a major setback in my life ... Nothing too "serious", but big enough to change my plans for the present and future. Before you ask the answer is NO! Do not give up on my dreams, no way!!
 

Then, just as "the thing was black," that fell in torrential rain last wednesday, which flooded half the city.
 

Well!

 I, as always, riding my motorcycle. Obvious! I'm not the "pizza guy" in the picture beside, but it serves well to illustrate the situation in which I found myself. Returning to the point, I have to say that for a "blunder planning", I ended up having to move again for a street that floods when it is not under a foot or two of water. And I say again because I knew that there could be flooded by. There are about a year ago, for the same period of sudden rains and bulky, I passed into the "river" that there always so. But I did not realize it had rained so much and having passed since ...

 
Just for a change, I was too late, so turn around and choose alternative path was not the solution. So I went again, using my "technical" highly accurate.

Well .. Accurate ... I mean ... Ok! The truth: I was once again over the sidewalk if they want to know where the water reached "only" about 40 inches tall. Turns out I did not realize that this time flooded MUCH more, and instead of a block, as happened last time, endless two blocks were crammed with water. What does this mean? It means that I had to step off the sidewalk and cross the street, and, as my readers may imagine, did not see ANYTHING that was under water. If there was a manhole cover moved, opened, ever seen! At the time I did not even realize it. I only realize later that the risk was greater than I imagined!

 When the bike "sank" the 20 inches more, crossing the street, the water had already covered the engine and was coming to the bank. My XLX, old war has just below the seat leakage. And any good rider knows that when crossing a barrier of water, if not download and greatly speed up the march, there is a great risk of water entering the exhaust outlet and go to the engine, when it is called "hydraulic wedge" and at best the engine break down ... You can send exchange. In the case of my XLX, could put the bike out since an engine would ever find it practical conditions. If found, it would be cheaper to buy another bike!
 So I did. I downloaded the march further and sent rolling see the cable. Great! It turns out that if you accelerate and does not regulate the acceleration in the clutch lever, which has seen vai stop! Prá complicate the situation, was nearing the end of waterlogging and "crosses" a truck in front of me, sending that "ripple" Hells, causing water to rise further.
 I saw the water go over the bank. And it gives you gas, and debriar escambau, to keep me standing (or is it floating?) And still not hit the damn truck.
 The clutch discs that were already asking us almost 70.000km exchange my old lady, imagine if something was left. Nothing. I went through unscathed. The warrior smooth. Could accelerate the march kick, adjust the clutch cable than nothing. She just would not walk more before repair. The left sleeping in the parking lot of a gas station, guarded (after paying extortionate 30 dollars overnight) will put the next day the bailout go take it to the "doctor". I took the train and went to go home, think about everything.
 I realized that in life we ​​have to cross "flooding". That can always be a manhole cover open or even a "bastard" for meddling in its path. I learned that this "subject" can be "bigger" than you, when you do not have many other alternative but to "juggle to keep standing."
 


Moreover, I learned that you can not always turn around. However, one can always try. We can even "take a step back." Sometimes what you think you will "slow life", is precisely what makes it go faster and before you reach your destination. It takes humility and accept mistakes, learning from them. Simply not to err again. For, after all, you never know when you will have to go through another "flooding" maybe even higher, deeper. Amid the "downpour" when the decision has been made, it is best to move on and get to the other side as whole as possible. Not that, for this you have to sacrifice something. If so, choose the smaller "value", preserving always and with all his strength that really matters! Whatever happens, always keep in mind what matters more ... The "whole bike" or only a few "clutch discs?

And then people say that I have the bad habit of always comparing life with bikes ... And is not equal?

Until our next post, think about it: what really matters to you?

See you soon!!Image credits:
1 and 2 - google images
3 - Adv photo and KYT


sábado, 23 de fevereiro de 2013

Altos e baixos da vida e... motos, claro!

For english version, click HERE

Por esses dias que passaram tive um grande revés em minha vida... Nada de muito "grave", mas grande o suficiente para mudar meus planos para o presente e futuro. Antes que perguntem a resposta é NÃO! Não desisti de meus sonhos, de forma alguma!!!
 
Então, justo enquanto "a coisa ficava preta", caiu aquela chuva torrencial na quarta-feira passada, que alagou meia cidade.
 
Pois bem!
 
Eu, como sempre, de moto. Óbvio! Não sou o motoboy da foto ao lado, mas a mesma serve para ilustrar bem a situação em que me encontrava. Voltando ao que interessa, tenho a dizer que por um "erro crasso de planejamento", acabei tendo de passar mais uma vez por uma rua que quando alaga não fica com menos de meio metro de água. E digo mais uma vez porque eu sabia que por ali poderia estar alagado. Há cerca de ano atrás, por essa mesma época de chuvas repentinas e volumosas, passei por dentro do "rio" que ali sempre se forma. Mas, um que não percebi que havia chovido tanto assim e dois que, tendo passado uma vez... 
 
Só para variar um pouco, eu estava atrasado, pelo que dar meia volta e escolher caminho alternativo não era solução. Então lá fui eu de novo, utilizando minha "técnica" altamente apurada.
 
Bom... Apurada... Digo... Ok! A verdade: fui mais uma vez por cima da calçada, se querem saber, onde a água atingia "só" uns 40 centímetros de altura. Acontece que eu não me dei conta que desta vez alagou MUITO mais, e em vez de uma quadra, como aconteceu da outra vez, infindáveis duas quadras ficaram abarrotadas de água. O que isso significa? Significa que tive de descer da calçada e cruzar uma rua, sendo que, como meus leitores podem imaginar, não via NADA do que estava embaixo dágua. Se houvesse alguma tampa de bueiro se deslocado, aberto, já viram! Na hora nem me dei conta disso. Só fui perceber depois que o risco era maior do que eu imaginava! 
 
Quando a moto "afundou" os 20 centímetros a mais, ao cruzar a rua, a água já havia tapado o motor e estava chegando ao banco. A minha XLX, velha de guerra, tem justamente logo abaixo do banco o escapamento. E qualquer bom motociclista sabe que, ao cruzar uma barreira d´água, se não baixar a marcha e acelerar bastante, há um grande risco de entrar água pela saída do escape e ir ao motor, quando então ocorre o chamado "calço hidráulico" e na melhor das hipóteses o motor vai inteiro pro saco... Pode mandar trocar. No caso da minha XLX, poderia colocar a moto fora, já que um motor prá ela jamais iria achar em condições. Se encontrasse, seria mais barato comprar outra moto! 
 
Assim fiz. Baixei a marcha ainda mais e mandei ver enrolando o cabo. Ótimo! Acontece que se você acelera e não regula a aceleração no manete da embreagem, já viu onde vai parar! Prá complicar a situação, estava quase chegando ao final do alagamento e se "atravessa" um caminhão na minha frente, mandando aquela "marola" dos infernos, fazendo a água subir ainda mais.
 
Vi a água passar por cima do banco. E dá-lhe acelerador, debriar e o escambau, para me manter em pé (ou seria boiando?) e ainda não bater no maldito caminhão.
 
Os discos de embreagem que já estavam pedindo troca nos quase 70.000km da minha velhinha, imaginem se sobrou algo. Nada. Eu atravessei ileso. A guerreira lisa. Podia acelerar, chutar a marcha, regular o cabo da embreagem que nada. Ela simplesmente não andaria mais antes do reparo. A deixei dormindo no estacionamento de um posto de combustível, bem guardada (depois de pagar extorsivos 30 reais de pernoite) prá no dia seguinte o socorro ir levá-la ao "médico". Peguei o trem e fui prá casa, pensar sobre tudo.
 
Percebi que na vida temos de atravessar "alagamentos". Que sempre pode haver uma tampa de bueiro aberta ou até mesmo um "filho da mãe" para se meter no seu caminho. Aprendi que esse "sujeito" pode ser "maior" que você, quando não lhe resta muita alternativa a não ser "fazer malabarismo para manter-se em pé".
 
Por outro lado, aprendi que nem sempre se pode dar meia volta. Contudo, sempre se pode tentar. Podemos até "dar um passo atrás". Às vezes aquilo que você pensa que vai lhe "atrasar a vida", é justamente o que lhe faz avançar mais rápido e antes chegar a seu destino. É preciso ter humildade e aceitar os erros, aprendendo com eles. Simplesmente para não errar novamente. Pois, no fim das contas, você nunca sabe quando terá de atravessar outro "alagamento" quem sabe ainda maior, mais fundo. No meio do "aguaceiro", quando a decisão já foi tomada, o melhor é seguir em frente e chegar ao outro lado o mais inteiro possível. Nem que, para isso, você tenha de sacrificar alguma coisa. Sendo o caso, escolha o de menor "valor", preservando sempre e com todas as suas forças o que realmente importa! Aconteça o que acontecer, sempre tenha em mente o que vale mais... A "moto toda" ou só uns poucos "discos de embreagem?
 
E depois dizem que eu tenho por hábito sempre comparar a vida com as motos... E não é igual?

Até nosso próximo post, pense um pouco: o que realmente tem valor para você?

Até logo!!!


Crédito das imagens:
1 e 2 - google images
3 - foto Adv e Kyt
 
 
 
  

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Carnival and other holidays ... Motorcycles, of course! What has this to do?

Para versão em português, clique AQUI


  What carnival and other festive dates have to do with bike? Very!

Motorcycles and carnival or other holidays is indicative only one sign: red. Yes Red light!

Connect all your senses. If you can avoid leaving bike in the most critical times (dawn and dusk), prefer.

For some reason that I personally know of many people exaggerate the dose of alcohol and binge on festive periods, with the carnival one of the worst moments. And the problem usually is not you, but others. Especially because I will not be talking to bikers who take one or the other and leave crazyest bike. Because that, from my point of view is one thing: suicide.

It turns out that statistics show that 50% (Fifty percent yes!!) Of victims of fatal traffic accidents were intoxicated!! By God! This number is very high!! For although we have to consider those killed by drunk and reckless killers.

I always say that when we're on a motorcycle, often we have to worry about how others address that as we piloted. Because, if we "bullshit", it is our sole responsibility. As for the other drivers ...

How to guard anyway?



The tip is one. Pay attention to the tires!! Yes! Tires!! If they are "dancing" in front if the driver is unable to maintain a straight line very, suspicious and walk away! Stop at a gas station, when it exceeds with free trail and stay far ahead of him, do whatever is necessary to "lose sight of him." With this you can now prevent 50% of accidents on the road. The other 50% you avoid looking at the cars you see up front, especially in cases of unique tracks (one track coming, another returning). If the guy is at all costs trying to overtake where clearly does not, without signal flashes, probably because it is not very good or knowing what you're doing. In such cases, it is not uncommon for the driver or you do not see or pretend not to see him.

First, forget the anger! No use of any of you get angry guy! Now you have to take care of your life and the rest does not matter. If the guy is determined to overcome, he will do it if I have to go over you. So ...




Second, reduce your speed. Always! NEVER, in some cases, accelerate. With that gives you more time and more space for the driver to complete the overtaking. Not that you have to pull a bit the bike onto the shoulder ... And then the third tip:
Third: in the latter case, refer to the roadside and, at worst, to kill. Hence why decelerate always important. It is preferable to get you on the shoulder at lower speed or shoot to kill when the bike almost stopped than running fast. Remember that the shoulder is usually "dirty" because all debris will stop there when thrown by cars. Outside the concessionaire of the highway will usually be more concerned with the route itself, leaving the shoulder secondary plan. So often the worst holes you can find on the shoulder. Thus, at low speed in a critical situation is in 99.9% of cases recommended.
Okay ... I understand you!
I know after being hit is almost reflexively show the middle finger to the driver denatured son of a mother, when not wanting swearing at him more closely ... But think! This solves anything? Absolutely nothing! If the mad resolve come after you, he will do so. And there is a bike against a car. Who do you think will be the bigger loss?
Anyway ... If you see a driver doing "caca" and approaching, the smart move is always one: stay away!
Only then you will have another carnival to jump, to celebrate another new year, another Christmas.
As for drunk ... Good! Let him enough alone. Continuing like this, unfortunately it is very likely that there is more here tomorrow ...
You, stay alive!
See you soon!

Carnaval, outros feriados e... Motos, logicamente! O que isso tem a ver?

For english version, click HERE

O que o carnaval e outras datas festivas tem a ver ccomo moto? Muito!

Motos e Carnaval ou outros feriados é indicativo de umn sinal só: vermelho. Sim. Sinal vermelho! 

Ligue todos os seus sentidos. Se puder evitar sair de moto nos horários mais críticos (amanhecer e anoitecer), prefira. 

Por alguma razão que eu particularmente desconheço, muitas pessoas exageram na dose de álcool e farra nos períodos festivos, sendo o carnaval um dos piores momentos.  E o problema, normalmente, não é você, e sim os outros. Até porque não vou estar falando para motoqueiros que tomam umas e outras e saem de moto transloucadamente. Porque isso, de meu ponto de vista é uma coisa só: suicídio.

Acontece que estatísticas apontam que 50% (sim! Cinquenta por cento!) das vítimas fatais de acidentes de trânsito estavam embriagadas!!! Por Deus! Isso é número muito alto!!! Pois ainda há que se considerar os que foram mortos por bêbados inconsequentes e assassinos.

Sempre digo que quando estamos em cima de uma moto, muitas vezes temos de nos preocupar mais como os outros dirigem de que como nós pilotamos. Até porque, se fizermos "besteira", isso é responsabilidade única e exclusiva nossa. Já quanto aos outros motoristas...

Como se precaver, afinal? 

A dica é uma só. Preste atenção aos pneus!!! Sim! Aos pneus!!! Se eles estão "dançando" à sua frente, se o motorista não consegue manter uma linha extremamente reta, desconfie e se afaste! Pare em um posto, ultrapasse-o quando com pista livre e mantenha-se muito à frente dele, faça o que for necessário para "perdê-lo de vista". Com isso você já consegue evitar 50% dos acidentes na estrada. Os outros 50% você evita olhando os carros que vê lá à frente, principalmente em casos de pistas únicas (uma faixa vindo, outra voltando). Se o cara está à todo custo tentando a ultrapassagem onde nitidamente não dá, sem dar sinal de pisca, é porque muito provavelmente não está muito bem ou sabendo o que está fazendo. Nesses casos, não é raro que o motorista ou não lhe veja ou faça de conta que não lhe vê. 

Primeiro: esqueça a ira! Não adianta de nada você ficar com raiva do cara! Agora você tem de cuidar de sua vida e o resto não importa. Se o cara está decidido a ultrapassar, ele vai fazer isso nem que tenha de passar por cima de você. Então...

Segundo: reduza a velocidade. Sempre! JAMAIS, em hipóteses alguma, acelere. Com isso você dá mais tempo e mais espaço ao motorista para que complete a ultrapassagem. Nem que você tenha de puxar um pouquinho a moto para o acostamento... E aí a terceira dica: 

Terceiro: em último caso, recorra ao acostamento e, na pior das hipóteses, ao mato. Daí porque importante desacelerar sempre. É preferível você entrar no acostamento em velocidade menor ou atirar a moto ao mato quando quase parado do que rodando rápido. Lembre-se que o acostamento é normalmente "sujo", pois todos os detritos vão parar lá quando jogados pelos carros. Fora que a concessionária da rodovia normalmente vai se preocupar mais com a via em si, deixando para plano secundário o acostamento. Por isso, não raro os piores buracos você pode encontrar no acostamento. Assim, a baixa velocidade em uma situação crítica, é em 99,9% dos casos  recomendável. 

Está bem... Eu lhe entendo!

Eu sei que após ser quase atropelado é ato reflexo mostrar o dedo do meio para o motorista filho de uma mãe desnaturada, quando não querer xingá-lo mais de perto... Mas, pense! Isso resolve alguma coisa? Absolutamente nada! Se o louco resolver vir atrás de você, ele fará isso.  E aí é uma moto contra um carro. De quem você acha que será o prejuízo maior?

Enfim... Se você vê algum motorista fazendo "caca" e se aproximando, a atitude inteligente é sempre uma só: fique longe! 

Só assim você terá um outro carnaval para pular, outro ano novo para comemorar, outro natal.

Quanto ao bêbado... Bom! Deixe ele prá lá. Continuando assim, infelizmente é bem provável que não esteja mais aqui amanhã...

Você, continue vivo!

Até breve!