RECEBA AS NOVIDADES DO BLOG EM PRIMEIRA MÃO!

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Atenção! Gelo na Pista! Black Ice - Como evitar um tombo. Técnicas de pilotagem

For english version, click HERE!

Pode parecer bobagem, redundância ou falta de solução melhor, mas é fato que a melhor forma de evitar um acidente por conta de gelo na pista é uma só: evitar ao máximo esta condição. 


O gelo na pista, ou mais conhecido como "black ice", é uma circunstância que pode ser mais comumente encontrada pelo motociclista do que ele imagina, sobretudo em estradas de regiões serranas e/ou muito sombreadas, como, por exemplo, túneis ou abaixo de árvores. 

Quem já passou de moto sobre uma mancha de "black ice" e não caiu, além de poder se considerar um bom piloto, já poderá dizer que é motociclista de muita sorte, uma vez que a pista com gelo se torna tanto ou até mais escorregadia do que se tivesse grande sujidade de óleo. 
 
Logicamente que, por se tratar de nada mais do que água congelada, o "black ice" precisa antes de mais nada simplesmente congelar, ou seja, a água precisa ser levada à ponto de congelamento, o que em condições normais ocorre a 0º centígrados. Assim, quando se está a enfrentar temperaturas abaixo de 10ºC, já se mostra possível a formação de gelo, sobretudo nas áreas mais úmidas (ex.: ao lado de cachoeiras; após chuva; após sol forte sobre neve derretendo-a e logo em seguida congelando-a; etc.) que estão a experimentar estes "níveis de calor", fisicamente falando. 

É preciso lembrar que o vento também pode levar o asfalto - e consequentemente eventual água sobre ele - a alguns graus centígrados abaixo da temperatura ambiente, pelo que o fato de estarmos com temperaturas de até pouco mais de 10ºC em locais ensolarados, não significa que não tenhamos condições abaixo de zero graus em outros locais próximos ou ao lado de. 

Em condições propícias de formação de gelo na pista, procure sempre seguir outro veículo (preferencialmente de 4 rodas, leve),cuidando se o mesmo não dá volta e meia uma "rabeteada". Se isto acontecer, pode ser sinal de que passou sobre uma mancha de black ice. Em temperaturas baixas, de qualquer forma, procure ficar atrás de automóveis, jamais mantendo a dianteira deste. Se o motorista se aproximar por trás e tentar lhe ultrapassar, facilite ao máximo isto ao mesmo, cuidando, contudo, para não se aproximar do acostamento, pois é justo rente ao acostamento que mais se encontram manchas de black ice. E aí será um tiro no pé: facilmente você poderá ver sua moto repousar ali adiante sobre a neve fofa que se acumula na lateral da estrada. Cair sobre tal nem é o maior problema. Problema - e dos grandes! - você terá será para tirá-la de lá. Se já é pesada em condições que você tem apoio suficiente, imagine quando não consegue firmar suficientemente o pé no solo.  

Nas motos que possuem controle de tração, como a grande maioria das BMW a partir de 800cc, há também no painel o aviso de gelo ("ice"), que normalmente aparece antes do gelo, momento em que reduzindo a velocidade se pode reduzir a probabilidade de queda. O controle de tração em tal situação trabalha fazendo pequenos ajustes por "deslizamentos" praticamente imperceptiveis da roda. Já em uma moto sem controle de tração, a probabilidade de se manter "em pé" se reduz drasticamente, e é preciso muito esforço, técnica, sangue frio e um tanto de sorte para não "comprar um belo terreno". 

Segundo um de nossos amigos, típico "viramundo" que costuma rodar por tudo quanto é lugar do planeta, o grande problema é o gelo "...amanhecido da noite anterior, notadamente onde o sol não bateu ainda.". Segundo o mesmo, é muito difícil distinguir o gelo propriamente dito da neve misturada com sujeira. Como o mesmo é endurecido e puxando para o branco, pode-se fazer confusão, ainda mais ao se vir rodando. Daí que, nestas situações, o melhor é não abusar da velocidade, mantendo ao máximo a de uma pessoa correndo. Igualmente, quando há notícias de formações de gelo na pista, o melhor é procurar sair perto do meio dia, pois o sol à pino derrete mais facilmente o gelo. 


Claro que ainda assim não é momento para despreocupação total, pois onde a montanha ou árvores bloqueiam o sol pode haver gelo. Além disso, se há aparência de "molhado" na pista, isso pode ser sinal de que o gelo está derretendo. E estar derretendo significa que ainda pode haver gelo.  

Resumindo: 
- mancha esbranquiçada na pista = gelo ou neve com sujeira;
- mancha molhada na pista = gelo derretendo ou já totalmente derretido

Assim, mesmo que sua moto possua controle de tração, procure evitar manchas esbranquiçadas e manchas molhadas. Ao perceber a existência das mesmas, dimunua a velocidade e incline a moto o menos possível. Se sua moto não tem sequer termômetro no painel, pense em adquirir um em qualquer loja de "1,99", fixando-o até com fita dupla-face onde você consiga consultá-lo periodicamente.  

Finalmente, ao contrário do que poderia se imaginar antes de ler esta matéria, é preferível encontrar NEVE na pista do que encontrar gelo, esta última talvez a situação que requer mais atenção por parte do motociclista.

Claro que sempre há limite para tudo, e às vezes pedir auxílio a uma caminhonete 4 x 4 pode ser a solução para se continuar uma viagem mais, digamos, gelada. De tudo, o importante é não entrar numa fria, lembrando que para o motociclista que se preze, não há tempo ruim. Ruim mesmo é não andar de moto e arrumar mil e uma desculpas para não levantar do sofá e ir rodar.

E você? Tem medo de quê? De neve ou de programas de auditório na televisão? 
 
Até breve!


Crédito das fotos:
Google Imagens


A&K Motorcycle Rentals
Aluguel de motos BMW e Harley Davidson Brasil e no mundo
Tours pelo Mercosul; Route 66 - Estados Unidos; Portugal; Canadá; África e outros diversos destinos
Consulte nossos pacotes para grupos:  aek@aekmotos.com


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Valores e Roteiro Tour Inverno 2014 - vamos de moto à Mendoza Agosto de 2014!

For english version, click HERE!


Depois que fizemos o post sobre nosso Tour Inverno 2014, já tivemos várias solicitações de amigos e leitores querendo maiores informações sobre os preços, roteiro completo e discriminado, se dá prá ir com moto própria, etc. 

Assim, hoje publicamos os valores que se aplicarão para o Tour que acontece a partir de 01 de agosto de 2014 agora. Parece longe, mas a data já está bem próxima, pelo que já estamos providenciando pagamento de hotéis, de prestadores de serviço, transportes, passeios, etc.

Desde a idéia inicial, já fizemos diversas alterações até chegar a este roteiro final, tudo visando a segurança e melhores hotéis possíveis aos viajantes, como indicamos, acima sempre de 3 estrelas.


Já recebemos algumas "críticas", mesmo antes deste post, no sentido de que não "deveríamos abrir tanto" o roteiro, pois viajantes autônomos poderia copiar o mesmo... Nossa resposta foi:

- Ok! E daí?

Voltamos a afirmar que a razão primeira de existir da A&K Motorcycle Rentals são os motociclistas. Se vão viajar em Tour conosco ou de forma autônoma, é coisa que de qualquer forma faz com que cumpramos nossa meta! Claro que empreenderem uma viagem conosco é sempre uma satisfação. Afinal o motociclismo e a viagem de motos sempre foi nossa paixão, como sabem nossos leitores que acompanham o blog desde há muito. 

Então, sem maiores delongas, vamos à descrição do roteiro passo-a-passo:


Numa saída rápida, dia 01 de agosto iremos de  Canoas à Uruguaiana, partindo mais tardar às 7h da manhã. Serão 641Km, e devemos chegar por aquela cidade em torno das 15h. Parada de 1h para um almoço ou lanche rápido no trajeto. Como já apontamos em outros textos do blog, não é bom "encher a barriga" quando se está pilotando, pois após almoços pesados o sono é fatal. E nesse dia teremos longas retas para percorrer... Já está agendado hotel ao lado da ponte que nos leva até a fronteira com a Argentina. Faremos os preparativos para a aduana no dia seguinte.

Dia 02 de agosto atravessaremos a fronteira na primeira hora, e iremos até Santa Fe, distante 410 km, uma cidadezinha bastante acolhedora. Devemos chegar lá até as 13h. 2 paradas para abastecimento, água e para os que desejarem um lanche.




No dia 03 de agosto, após 528 km, estaremos aportando em Mina Clavero. Quando você se deparar com a ímpar paisagem da serra que conduz até Mina Clavero, irá notar porque a cidade foi escolhida como nosso ponto de parada. Aliás, o "Camino de Altos Cumbres" por si só já vale a viagem. Mina Clavero é atípica cidade no meio do nada, que é prá lá de hospitaleira. Apesar disso, no verão se torna uma cidade balneária (por conta do Rio Clavero) e conta com excelentes restaurantes. Vale jantarmos num dos melhores do lugar!    


Descansados temos mais uma perna longa de 504 Km no dia 4 de agosto. Estrada excelente, com longas retas, nos permitirá manter uma boa velocidade de cruzeiro. meia dúzia de horas e deveremos estar chegando em Mendoza mais tardar por volta das 13h. Reservamos um hotel ao lado da principal rua "fechada" de Mendoza, onde sugerimos degustar um bom "Lomo de Chourizo" em um dos vários bares da mesma. 

E no dia seguinte uma Van já nos espera para o passeio até duas outr três vinícolas de Mendoza e uma "aceiteria" já está garantido. Vamos ver ao vivo como se faz o melhor vinho tinto e como é extraído o azeite virgem da oliva. Será possível degustar vários tipos de vinho, e teremos uma aula com especialistas de como distinguir um vinho de outro, como armazenar, abrir, servir e melhor apreciar um tinto... Sem dúvida, uma arte! É passeio inesquecível, da qual você lembrará sempre que abrir uma garrafa de vinho.

Dia 6 subiremos novamente nas motos para visitar a Ponte del Inca, tirar fotos do Aconcágua e almocar em Uspalatta. Vamos subir os andes e experimentar o verdadeiro friozinho! Preparem as blusas de lã e as câmeras fotográficas! Com os andes sempre à frente, teremos oportunidade de ver a neve ao longo da estrada e cobrindo as montanhas. Os andes são lugar inesquecível! Vamos nos preparando para em próximo Tour cruzarmos o mesmo? Rodaremos 150 km neste dia, retornando a Mendonza para nossa última noite deste tour na cidade.Dia 07 vamos sair cedinho e percorrer mais 484 km até Rio Cuarto, uma cidade sem maiores atrativos, que será nosso ponto de parada para descansar à próxima perna, esta sim com destino prá lá de esperado: Buenos Aires! Nesta noite, um bom vinho "nacional" depois de termos aprendido um tanto sobre eles, pode ser uma boa pedida.Dia 08, após mais 687 km por retas infindáveis, chegaremos à Buenos Aires, onde diversas atrações nos aguardam! Vamos visitar o Caminito, o Puerto Madero e também teremos uma noite de espetáculo na mais tradicional casa de tango "Señor Tango". Para melhor deleite dos nossos clientes estamos em Buenos Aires providenciando acomodações em Puerto Madero, quiçá um dos lugares mais chiques e valorizados de toda Buenos Aires! Talvez a esta altura você já comece a imaginar que a viagem vai sair um tanto cara... Continue lendo e se surpreenda com os valores de investimento que preparamos para este Tour!E nossa viagem ainda não acabou! Dia 11 partimos de Buenos Aires, pegando o Buque Bus para Colonia del Sacramento, belíssimo vilarejo onde poderemos almoçar ou simplesmente fazer um lanche num de seus vários cafés. Dali, vamos a famosa Punta del Este, ficando em outro ótimo hotel para um par de dias. Uma boa oportunidade para quem gosta de arriscar a sorte em um dos Cassinos do lugar, ou então para quem gosta de fotos diferentes, onde as atrações principais são os monumento/esculturas "La Mano" e a "Casa Pueblo". E finalmente no dia 13 chegaremos na divisa do Brasil, no Chui (ou seria Chuy? Depende de que lado da rua você está!), onde poderemos fazer umas comprinhas rápidas nos free shops, para trazer uns vinhos para casa ou um "mimo" para quem nos aguardam com ansiedade. Logo mais, ao fim da tarde, seguimos para Rio Grande, com suas tradicionais churrascarias. Um javali é a pedida. No dia 14 estaremos de volta ao nosso ponto de partida, com a alma lavada e muita história para contar! No dia seguinte ou no mesmo, para os que vem de fora e voltam às suas cidades de noite, o transfer A&K-aeroporto é novamente por nossa conta. Abaixo, todo o nosso roteiro:      

Data
Dia
Trajeto
Quilometragem
01/ago
1
Canoas - Uruguaiana
641
02/ago
2
Uruguaiana - Santa Fé
410
03/ago
3
Santa Fé - Mina Clavero
528
04/ago
4
Mina Clavero - Mendoza
504
05/ago
5
Mendoza
0
06/ago
6
Mendoza
150
07/ago
7
Mendoza - Rio Cuarto
484
08/ago
8
Rio Cuarto - Buenos Aires
687
09/ago
9
Buenos Aires
0
10/ago
10
Buenos Aires
0
11/ago
11
Buenos Aires - Punta del Este*
308
12/ago
12
Punta del Este*  
0
13/ago
13
Punta del Este - Rio Grande
465
14/ago
14
Rio Grande - Canoas
350

Total

4527
* dias ou tardes livres com moto

E agora a parte surpreendente!

Diárias de todos os hotéis incluídas, taxas incluídas, transfers aeroporto de Porto Alegre-Hotel-A&K (para clientes que vem de fora do RS) incluídos,  incluída locação de BMW F800GS nos termos em que você encontra em nosso site (sem taxas extras, sem limite de quilometragem, equipadas, com gps, etc.), carro de apoio com reboque, Tour Leader em moto, brindes da A&K, passeios e no mínimo 2 jantares inclusos por USD 3700.00, podendo o valor ser parcelado em tantas quantas combinadas com a A&K, com desconto no depósito. 

Para os que querem ir com a BMW G650GS, valor de USD 3400.00, igualmente com desconto (preço menor) no depósito.

É possível ir ainda com moto própria, desde que compatível com as do grupo (big trails) e com manutenções em dia. Neste caso o valor do investimento é de USD 2500.00, igualmente havendo desconto no caso de depósito antecipado.

Para quem vai com garupa, somar USD 1575.00.


Quem quiser ainda mais detalhes para fazer este Tour com a A&K Motorcycle Rentals já pode nos escrever para o e-mail aek@aekmotos.com que repassamos todas informações.

Vamos nessa? 

Até breve! 


Crédito das fotos:
 Google images

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Tour Inverno 2014 - Cordoba, Mendoza, Las Leñas e Buenos Aires de moto!!!




For english version, click HERE!


A partir de hoje, por solicitação de vários leitores e amigos, volta e meia publicaremos algumas sugestões de roteiros para fazer de moto, já que acreditamos estes auxiliarão os motoaventureiros. Como sempre, a preocupação primeira do blog da A&K Motos e Turismo é com o motociclista.

Estes são baseados nos que já fizemos, nos que queremos fazer em breve e dos que amigos já fizeram, dividindo suas experiências conosco. A maioria destes roteiros serão de 15 a 30 dias, pois está mais próximo da realidade das férias de nós brasileiros. Outros trajetos mais compridos e/ou dicas de nossos leitores serão oportunamente publicados, assim como indicações para aqueles que querem se aventurar em Tours pela europa. 


O Tour que agora apresentamos, faz parte do que será realizado em agosto de 2014 agora, pela A&K Motorcycle Rentals , e nada mais é do que um roteiro mais curto do que os motociclistas experientes mais cedo ou mais tarde acabam fazendo. 

Para os que são do Sul, em um determinado momento se tem de ir ao Chile via Mendoza, descer os caracoles via paso Tunel Cristo Redentor, de lá baixar até Osorno ou Puerto Varas/Mont, atravessar em retorno por 7 lagos à Bariloche e de lá retornar para Buenos Aires (ou antes esticar até Peninsula Valdez), Punta e Chui, entrando novamente no Brasil. Não há motociclista que não tenha feito ou que não vá fazer esta viagem! Contudo, é roteiro longo, de aproximadamente 10.000km, e que não é feito sem correria com um mínimo de 30 dias. Caso contrário você vai conhecer só asfalto.  

Apesar de gostar demais de estrada (tanto quanto e preferencialmente de moto), uma viagem de moto tem de ser, ao meu ver, sobretudo agradável. Caso contrário hoje prá mim é tortura, não passeio. "Correr atrás do relógio" não é mais prá mim... Claro que há aqueles que preferem subir na moto e não sair de cima até rodar no mínimo 1000 km por dia. Sei disso porque já fui assim também! Já cheguei a fazer 1300km em uma única tocada, mal descendo da moto para esvaziar a bexiga, um gole de água e só. 

Mas com o tempo percebi que apenas rodar, rodar e rodar não é o todo da viagem e que nem só milhares de quilômetros nas costas fazem um bom motociclista. Estes são consequência. Não devem ser regra de vida! Sair cedo e chegar cansado ao final do dia nos hotéis, pegando o primeiro que se vê pela frente, nem sempre é uma experiência agradável. Na maioria das vezes, muito pelo contrário. Além de que é, de um jeito ou de outro, um risco potencial.

Ou isso ou eu que estou ficando velho e prefiro agora um pouco mais de cada boa coisa da vida. Um pouco mais de conforto (mas sem ficar no sofá da sala, pois isso é atestado de óbito, não conforto!), um pouco mais de estrada (mas sem ser um adorador de provas de Iron Butt), um pouco mais de boas jantas (o que não significa comer até não poder andar, e sim comer com qualidade), um pouco mais, enfim, do que a vida tem de bom para nos oferecer. 

Assim, 21 dias (ou 3 semanas) é um período razoável para se rodar aproximadamente 5700km, com alguns tiros mais compridos e outros mais curtos, procurando-se rodar primordialmente pela manhã, deixando mais espaço para chegar ao hotel e confortavelmente tomar um banho, comer algo e visitar a cidade, conhecendo os costumes e a população do lugar, passeando pelas ruas dos lugarejos, escolhendo um bom boteco para um petisco e uma cerveja ou vinho à noite. 

É nessa linha o roteiro que faremos na A&K Motorcycle Rentals , e que é nossa dica do post de hoje. Vejam:

   Data
    Dia
Trajeto
Quilometragem

01/ago
       1
Canoas - Uruguaiana
641 km

02/ago
       2
Uruguaiana - Santa Fé
410 km

03/ago
       3
Santa Fé - Cordoba
370 km

04/ago
       4
Cordoba - Mina Clavero
158 km

05/ago
       5
Mina Clavero - Mendoza
504 km

06/ago
       6
Mendoza (vinicolas)
0 km

07/ago
       7
Mendoza (Andes)
150 km

08/ago
       8
Mendoza - Neuquén
788 km

09/ago
       9
Neuquen - S.M. de Los Andes
428 km

10/ago
     10
S.M. de Los Andes
0 km

11/ago
     11
S.M de Los Andes
0 km

12/ago
     12
S.ML.Andes - Choele Choel
426 km

13/ago
     13
Choele Choel - Bahia Blanca
650 km

14/ago
     14
Bahia Blanca (Museo Fangio)
0 km

15/ago
     15
Bahia Blanca - Buenos Aires
400 km

16/ago
     16
Buenos Aires
0 km

17/ago
     17
Buenos Aires 
0 km

18/ago
     18
Buenos Aires - Punta del Este
308 km

19/ago
     19
Punta del Este - Chui
222 km

20/ago
     20
Chui - São Lourenço
333 km
21/ago
     21
São Lourenço - Canoas
200 km


Total

5763 kms




A pergunta que todos se fazem é sempre a mesma: "Mas porque ir no inverno? Não é muito frio para se motocar no inverno?"

Não... Para se andar de moto, o ideal é que se esteja o mais protegido possível, como todo equipamento de proteção, que inclui jaqueta de cordura ou couro, luvas, calça de cordura ou couro, botas e um bom capacete fechado e/ou escamoteável. E tudo isso esquenta um bocado. É certo que sobre a moto, a uma velocidade de 100km/h, a temperatura pode cair em até 10 graus, e isso para temperaturas de 15 ou menos graus, tipicamente observáveis no inverno, levam-nas bem próximo de marcas negativas.  

Claro, não vou lhe mentir que é "quentinho", mas uma boa segunda pele mais um moleton e a roupa de proteção, dão conta do recado. E chegar num bom hotel com banho quentinho e calefação depois de uma motocada, não tem preço! Outrossim, por uma razão que desconheço, a mim me parece que as boas comidas ficam ainda melhores no inverno.Fora isso, caminhar no friozinho me pareceu sempre mais agradável do que encarar um calor insuportável de final ou começo de ano.


Quem quiser fazer este Tour com a A&K Motorcycle Rentals já pode nos escrever para o e-mail aek@aekmotos.com que repassamos maiores informações de valores e condições assim que tivermos fechado com todos os hotéis que iremos ficar. Desde já podemos lhes garantir valores convidativos incluindo a locação da moto (em valores muito menores do que do site) e tudo mais de direito que sempre se quer.

 E você? Encara uma motocada no inverno? 

Então vem com a gente!

Até breve! 


Crédito das fotos:
 Pessoais e google images