RECEBA AS NOVIDADES DO BLOG EM PRIMEIRA MÃO!

domingo, 10 de março de 2013

When the family doesn' like that you ride a motorcycle...

Para versão em português, clique AQUI

Today's post deserves readers special attention. No that the other posts doesn't deserves, but in importance, maybe this post is the reason of the blog. Of course, if my readers will enjoy what I like that they understood, it's another story.

The idea came about because of this point in the internet discussion group. There, he struggled the fact that often one or more family members who disliked their husbands/children/grandchildren/nephews/etc. ride a motorcycle, sometimes even threatening them physically and/or seek to dissuade the rider a trip through what we call psychological violence. And do not find funny, because more than proven that these "fights" may take one or both of the contenders called somatization to result in a death or serious illness (such as specific forms of cancer, brain tumors, etc..), mental (dementia schizophrenia, stress, or other disorders o.c.t.) and/or, in the case of spouses, separation. Which, unfortunately, is less rare than one might imagine.

Those who follow our posts, must remember that we wrote about another relevant subject, which pulls this: fear. One of the passages from that text that I have for the most important is this:

"But there is a sector where fear has failed so infamous: he will not sell his freedom never. 'Cause this is something that depends entirely on you and your way of seeing the world. Contrary fear, though many have forgotten, isn't safety.

The opposite of fear is COURAGE! "

Also, do not believe you know, but I have everything you do not want or should not be said by you and not by those you love most.

Let me tell you something ...

My wife and I are simply passionate, though married for almost 10 years. Every now and then I see it as if seeing it for the first time. And that is so true, although perhaps she did not know. When I met her she also rode a bike. Of course many will say here so I'm just a lucky guy and in my place, would not have so many problems, quarrels and complaints. Ok yes I'm a lucky guy to have found it, but that's not the point of our discussion. Going to the point, a few weeks ago, because of my stubbornness, she declared: "That way you will end up losing this thing." Jeez holy mouth! Or damn? How funny! Not that I miss it? And it did not take! Inattention? I was "influenced"? "Clairvoyance"? The unbelievable for such a "sixth sense" that many women have? Go Know!

Of course when we walk the bike the risk is huge. Nobody can deny this. But what the family often does not understand is that the risk is much less than a trip when walking inside the city! And it's not uncommon for family "complicate" only when you go traveling, like this - not run in crazy traffic of cities - that can take your life.

Go questions:

- You walk the bike within the city?

- As your wife sees this?

At the end of the day, you have to convince your wife of one thing: he loves her unconditionally (but you have to look in your heart if this is really true or if you're only fooling yourself) and, come that happens, you will always be by her side.

As for the bike, do you understand, in a light conversation, a most romantic night in which "creates" sleeping on grandma, aunt or something in where the bike is part of one of his passions, his life, his therapy.

Take it to meetings (if she runs, will drive you or following you follow!), Make your trips (like 50% of them!) With her, the two of you on vacation and the small school, finally, presents this " YOUR WORLD "for her.

I have to be home when no one has more "private world". Or you understand that, or ... Is that biblical story that the priest says, "A man leaves his family and joins his wife to form a ..."

But ...

In the end (and hopefully not be riding a motorcycle and / or not before edging age and more or less 100 years at least, preferably for more), do understand and probably cry heard you say it (preferably after a bottle of good wine) but the truth is that we usually "just" one way or another leaving alone. Or separated (worst case) for "incompatibility of temper" (I would say tastes and dreams ...) or vai a first and another later or in reverse order (intermediate event between the best and worst). Not that love is so great that causes it is only a matter of hours, minutes or perhaps, luckier still close together.

Here the best, romantic in the extreme: one wakes up, sees the partner of decades already "passed to another plan," and dies of a heart attack caused by large chest pain, in mind. Yes, that is a very high probability when the two old men now, still love each other. Come on this is rare nowadays, but believe that it is much less rare than the two die together, old and tragically, like honey-moon celebrates 60 years of marriage and plane crashes ... 200 survive 10 and can not find his remains, while the rest are all crew and passengers! Uauhhhh! I always tell my wife to me that this would be the death perfeira!! Because it will leave no doubt in the air if you did not survive ... And the family will still be left wondering if grandparents and crazy adventurers will one day return. Ready! You will become ghosts - and myths - forever! Uauhhhhh!

Shoooowwwwww!!

Anyway ...

Believe: if when leaving for another adventure motorcycle hear something like "... when salts bike I do not expect you to come back.", This may have far greater meaning than just the literal meaning of the phrase ... The fear that you do NOT return is not always exactly only fear you die as you would imagine, but a fear far greater than that of his "old self" that part now the roads, with whom she was accustomed, die alone for her, because that could hurt far more than physical death. Even that old because you, a few minutes ago when you started reading this, that you who left for another trip back ever, has died in the past. Always turn again another day older, more experienced, more relaxed, knowing what really matters in life, whatever, etc..

Then make her understand that her world "stranger", this transformation. Introduce your new self to her. Let her fall in love with this new guy again. Take her along on occasion. Occasionally let her choose and choose where to go, HOW to travel (no. .. You need not go ALWAYS motorcycle! Floor by car, bus or plane once in a while, believe me, do not kill him, nor does worse pilot!) and how much travel.

If it is always and invariably your way, then there is no "donation" no "unity".

When this happens you have to ask yourself what are you doing after spokes beside her. No! The fact that you have a child in common you can not chicken out, because if that happens you are losing time and what little they have left of their "youth" and beauty that take years before the eyes "others", who knows, finally, eyes that you understand every time you leave and change. Why not? And that goes for both of you! Especially because what parents want most, while selfish pain in the heart, is that one day their children leave home, find a good wife / o própias follow their lives, they also riding a motorcycle or not, as they, and not the other, wish. Yes .. These "pets" grow and sooner than you can imagine will be just the two of you again. Again only husband and wife, without much more to worry about than each other, their day-to-day, and trips to the rabugisses two. A honeymoon or gall. You are who you choose.

Now ... If this woman is together, this future old lady, you want to live the rest of your life, the more you believe it has - like any human being! - His faults, always try to see the qualities and especially her (Yes! Those same that made you decided to marry this creature and more over the years that you've discovered!) And let her know again all his countless reasons to always want to come back as soon as possible, although somewhat different, even when God (or the Universe, Buddha, events or whatever you believe in) will allow.

And if you've written it all look exactly your "real truth" summarize all that those two words - where one has two letters, the other three, and usually go together - she needs to listen to what you may, for many reasons that is not so important as you think, has not said lately.

Either that or ...

Remember, for your bike you should be an everlasting love ... Your wife, your children, your family, you should just love. Eternally.

Think about it and ...

Bon voyage!


Photo Credit:
1º - Ricardo Chagas site
2º, 3º and 4º - particular pictures
5º - Google images
 

sexta-feira, 8 de março de 2013

Quando a familia não gosta que você ande de moto...


For english version, click HERE

O post de hoje merece especial atenção dos leitores. Não que os anteriores não o merecessem, mas, em grau de importância, tenho que talvez este seja a razão deste blog existir. Claro que se meus leitores irão gostar o que pretendo que compreendam, já é outra história. 


A idéia deste surgiu em razão de ponto em grupo de discussão da internet. Lá, debatia-se o fato de que muitas vezes um ou mais familiares não gostavam que seus maridos/filhos/netos/sobrinhos/etc. andassem de moto, chegando por vezes a ameaçá-los fisicamente e/ou tentarem dissuadir o motociclista de uma viagem mediante o que podemos chamar de violência psicológica. E não achem engraçado, pois mais do que provado que tais "brigas" podem levar um ou ambos contendores à chamada somatização com resultado em uma doença grave ou mortal (como formas específicas de câncer, tumores cerebrais, etc.), mental (demência, esquisofrenia, estresse, t.o.c. ou outros transtornos) e/ou ainda, no caso de cônjuges, à separação. O que, infelizmente, é bem menos raro do que se pode imaginar.

Quem acompanha nossos posts a mais tempo, deve lembrar que já escrevemos sobre outro assunto relevante, que ora puxa este: o medo. Uma das passagens daquele texto que tenho por mais importantes é esta:
"Porém há um setor onde o medo tem falhado de modo infame: ele não venderá jamais sua liberdade. Porque isso é uma coisa que depende exclusivamente de você e de sua maneira de ver o mundo. O contrário do medo, embora muitos tenham esquecido, não é a segurança.
O contrário do medo é a CORAGEM!"

Além disso, não sei vocês acreditam, mas eu tenho que tudo que não se quer não deve ser dito nem por você e nem por aqueles que você mais ama.

Deixem eu lhes contar uma coisa...

Eu e minha esposa somos simplesmente apaixonados, embora casados à quase 10 anos. Volta e meia eu a vejo como se estivesse vendo-a pela primeira vez. E isso é a mais pura verdade, muito embora talvez ela nem saiba. Quando a conheci ela também andava de moto. Claro que aqui muitos dirão portanto que sou apenas um cara de sorte e que, em meu lugar, não teriam tantos problemas, brigas e reclamações. Ok. Sou sim um cara de sorte por ter a encontrado, mas esse não é o ponto da nossa discussão. Indo ao que interessa, há algumas semanas atrás, por conta de minha teimosia, ela sentenciou: "Desse jeito você vai acabar perdendo tal coisa!". Êitá boca santa! Ou maldita? Que engraçado! Não é que eu perdi mesmo? E não demorou! Desatenção? Eu estava "influenciado"? "Vidência"? O tal de inacreditável "sexto sentido" que muitas mulheres tem? Vá saber!

Claro que quando andamos de moto o risco é enorme. Ninguém pode isso negar. Mas o que a família muitas vezes não compreende é que o risco se torna muito menor numa viagem do que quando andando dentro da cidade! E não é raro os familiares "complicarem" só quando você vai viajar, como se fosse isso - e não rodar no trânsito maluco das metrópoles - que poderá tirar a sua vida.
Vão as questões:
- Você anda de moto dentro da cidade?
- Como sua esposa encara isso?
Ao fim e ao cabo, você tem de convencer a sua esposa de uma coisa só: que a ama incondicionalmente (mas você tem de procurar em seu coração se isso é realmente verdade ou se você está só enganando a si mesmo) e, aconteça o que acontecer, você estará sempre ao lado dela.


Quanto a moto, faça-a compreender, numa conversa leve, numa noite mais romântica em que a "cria" dorme na avó, na tia ou sei lá onde, que a moto faz parte de uma de suas paixões, de sua vida, sua terapia.

Leve-a a encontros (se ela dirige, vai de carro lhe seguindo ou você a segue!), faça suas viagens (tipo 50% delas!) com ela, em férias de vocês dois e escolares dos pequenos, enfim, apresente esse "SEU MUNDO" para ela.

Tenho que quando se casa, não se tem mais "mundo particular". Ou você compreende isso, ou... É aquela história bíblica que o padre fala: "O homem deixará a sua família e se unirá a sua esposa para juntos formarem um..."

Mas...

No final - e esperamos que não seja andando de moto e/ou não antes de beirando idade e mais ou menos uns 100 anos no mínimo, e claro que preferencialmente para mais - faça-a compreender e provavelmente chorar ouvindo você dizer isso (escolha por fazê-lo depois de uma garrafa de bom vinho) mas o certo é que a gente normalmente "acaba" de um jeito ou de outro partindo sozinho. Ou se separam (pior hipótese) por "incompatibilidade de gênios" (eu diria de gostos e sonhos...) ou vai um primeiro e o outro depois ou na ordem contrária (hipótese intermediária, entre a pior e a melhor). Nem que o amor seja tão grande que faça com que isso seja apenas uma questão de horas, minutos ou quiçá, com mais sorte ainda quase juntos.


Aqui a melhor hipótese, romântica ao extremo: um acorda, vê o parceiro de décadas já "passado ao outro plano", e morre de um ataque cardíaco ocasionado pela grande dor no peito, na mente. Sim. Isso é de uma probabilidade muito grande quando os dois, já velhinhos, ainda se amam. Vá lá que isso nos dias atuais é raro, mas acredite que é muito menos raro que os dois morrerem juntos, velhos e tragicamente, tipo lua-de-mel em comemoração aos 60 anos de casado e o avião cai... De 200 sobrevivem 10 e não encontram seus restos mortais, embora encontrem de todo resto da tripulação e passageiros! Uauhhhh! Sempre digo a minha esposa que para mim esta seria a morte perfeira!!! Porque irá deixar a dúvida no ar se vocês não sobreviveram... E os familiares ainda vão ficar se perguntando se os avós aventureiros e doidos um dia irão voltar. Pronto! Vocês se tornarão fantasmas - e mitos - para todo sempre! Uauhhhhh!

Shoooowwwwww!!!

Enfim...

Creia: se quando for partir para mais uma aventura de moto ouvir algo do tipo "...quando sais de moto eu não espero que você  volte.", isso pode ter muito maiores significados do que simplesmente a literalidade da frase... O medo de que você NÃO volte nem sempre é exatamente somente o medo que você morra como poderias imaginar, mas sim um medo muito maior de que aquele seu "antigo eu" que agora parte pelas estradas, com quem ela já se acostumara, morra somente para ela, pois isso poderia doer bem mais do que sua morte física. Até porque aquele antigo você, de uns minutos atrás quando começaste a ler este, aquele você que partiu para mais uma viagem nunca volta, já morreu no passado. Sempre voltarás outro, dias mais velho, mais experiente, mais tranquilo, sabendo o que realmente importa na vida, o que quer, etc.

Então faça-a compreender esse seu mundo "estranho", essa sua transformação. Apresente seu novo eu a ela. Deixe-a se apaixonar por este cara novo, mais uma vez. Leve-a junto de vez em quando. De vez em quando deixe-a optar e escolher para onde ir, COMO viajar (não... Você não precisa ir SEMPRE de moto! Andar de carro, ônibus ou avião de vez em quando, acredite, não mata e nem lhe faz pior piloto!) e quanto viajar.

Se for sempre e invariavelmente do seu jeito, então não há "doação", não há "unidade".

Quando isso acontece você tem que se perguntar o que raios afinal está fazendo junto a ela. Não! O fato de vocês terem um filho em comum não pode lhe acovardar, pois se isso acontece vocês estão perdendo tempo e o pouco que lhes resta de sua "juventude" e beleza que os anos tiram diante dos olhos "alheios", quem sabe, finalmente, olhos que lhe compreenderão toda vez que você partir e mudar. Porque não? E isso vale para os dois!!! Até porque o que os pais mais desejam, embora com dor egoísta no coração, é que seus  filhos um dia saiam de casa, encontrem uma boa esposa/o e sigam suas própias vidas, andando também eles de moto ou não, conforme o que eles, e não o outro, desejarem. Sim... Esses "bichinhos" crescem e mais breve do que você pode imaginar serão só vocês dois novamente. Novamente apenas marido e esposa, sem muito mais com quem se preocupar que não um com o outro, seu dia-a-dia, as rabugisses e viagens à dois. Uma lua-de-mel ou de fel. Você é quem escolhe.

Agora... Se é junto desta mulher, dessa futura velhinha, que queres viver o resto da sua vida, por mais que você acredite que ela tenha - como qualquer ser humano! - seus defeitos, procure ver sempre e principalmente as qualidades dela (Sim! Aquelas mesmas que fizeram com que você resolvesse casar com essa criatura e outras mais que com os anos você descobriu!) e deixe-a saber novamente todos os seus incontáveis motivos para sempre querer voltar o mais rápido possível, ainda que um pouco diferente, até quando Deus (ou o universo, Buda, os acontecimentos ou seja lá em que vocês acreditam) lhe permitir.

E, se isso tudo que escrevi lhe parecer exatamente a sua "verdade verdadeira" resuma tudo isso naquelas duas palavras - onde uma tem duas letras, a outra três, e normalmente andam juntas - que ela precisa ouvir as quais talvez você, por muitos motivos que não tem tanta importância quanto você pensa, não tenha dito ultimamente.

Ou isso ou...

Lembre-se: pela sua moto você deveria ser um eterno apaixonado... A sua esposa, seus filhos, sua família, você deveria apenas amar. Eternamente.

Pense nisto e...

Boa viagem!



Crédito das fotos: 
1a. - site de Ricardo Chagas
2a., 3a. e 4a. - fotos tiradas por A&K Motos
5a. - google images

KTM - what this bike has that the other doesn't?

Para versão em português, clique AQUI

Ask the title question, what KTM has that other bikes do not have, can be a cruel question or almost an offense to the fans. Indeed, this is the key point: who had a KTM usually is so passionate that doesn't  matter the existence of other brands. To KTM fanclub has no enemys to compare, so a KTM can not be compared to any other bike.


However the KTM is not a bike suitable for any rider. It's necessary, first of all, "love the earth" because just  in this field the KTM can do the best. If you want to ride only on the asphalt, then you should't maintain a bike like this.
In this post we will comments about KTM's, especially for the "big trail's" assiduous readers as they know, the style preference of this bike rider who create this blog.

Talking about KTM, imediatelly we can see a big mistake. Or you choose ride big bikes or virtually no option left. Take, for example, a SM (super motard), are not the best solution for cruisers. Fact: KTM no longer invests in medium bikes for cruisers. Previously was the 640 ST Adventure, bike still deeply respectful - although out of line - by KTM fans. With this mistake, KTM losed space to other brands in a territory that they easily can lead. Between 600 and 900 cc, there is nothing, just a big gap. Under this cc's, no other brand is able to travel long distances without tired a lot the rider. Of course you can opt for a 690 Enduro R, but will suffer with a tiny seat and miserable less than 4 galloons, just for 150 or 180 milles if you ride smooth like a princess...

However, even 690 Enduro R, is very impressive! We're talking about a motorcycle with 690 cc which delivers almost 70 HP's (they talk about 66), which for a bike of only 138.5 kilograms is a lot. In fact, it's an absurd, just as the 250mm course of their suspensions. The brake discs and twin-piston front and single back, are enough to stop the bike, missing only one ABS to perfection. Sure fans will jump in defense asking that it's an heresy talk about ABS on a off-road bike, when skidding and lock the wheels are mandatory for a decent riding. On city, they doesn't feels as comfortable as in their natural habitat where they made misery. Go to the sidewalk and "trample unsuspecting old ladies" - as my friend says - are like a child's playing for the big 21 inches wheel. Obviously with some modifications and if you don't mind whit single cylinder  vibration continuously punching (particularly for long trips I can't imagine nothing less than 2 cylinders, because I made trips with single cylinder and was terrible), can be a great option for the road, because whit this bike you will go certainly safely - and will come back, most important - to anywhere on the planet. 

Who enjoy comfort, has the privilege (questionable) of larger bikes and reasonable range, finding in 1190 Adventure an excellent travel companion, if doesn't care for the fact that "standards " doesn't ABS, remembering on a KTM what is superfluous for some else, is luxury for others. In other side the Adventure model doesn't frightening shorter riders because the height of your seat is just 860mm (other bands had sometimes more than 910mm). With 212 kilograms dry weight - which is very light for a bike of this size - and delivering almost 150HP's are a real kick in the stomach. The 190mm dampers courses and the tank whit more than 6 galloons it's capable for more than 250 milles without stopping. R version gains crash bars  and Combined ABS, that can be turned off for better performance on dirt roads. The travel suspensions increased to 210mm front and 220mm back, showing that it's better able to off-road. Everyting wonderfull, but not in Brazil, just always. New model arrived in the europeans "dealers", but in Brazil if we had this motorcycle in the year ends, we can pray a lot expressing real gratitude for god and says aleluia one thousand times. Of course, brazilians can made a "direct import" through the numerous importers firms in Brazil, what's always an alternative, maybe not so good, maybe good, especially for those that love exclusivity. 
 
However, if off-road is what do you wants, if you are a master rider and knows what a large 21 inch wheel can do in off-road, the 990 Adventure and Adventure R can be your bike. The standart difference for R basically is the ABS that doen't exist in standard's, and they also lose the welcomed engine crash bars. The cockpit in both is well arranged and complete with good aerodynamic protection by his windscreed. The tank is not as large as 1190, with 5.5 galloons, but whit the consumption of it a little lower for their smaller displacement, autonomy in 990 is closed with his sisters. The engine is less agressive, with "only" 115HP's, which is more than enough if we consider it's 207kg (10kg more in 1190). 


Remember, however, that a larger front wheel results in less stability on the highway, and for that KTM says that 1190 model with a 18 inches wheel doesn't changes her ability to off road with the advantage that makes the trip comfortable on highways. Very questionable point in which I refuse to believe, because I think to a tiny wheel is impossible had the same ability to jump obstacles that a larger one. And it was just at this point that there was a lot of discussion when KTM introduced it in new model. This was not what his fans are waiting for, and no doubt that in the future they will return to the 21 inches wheell or provide a conversion kit. Of course it doen't necessary be a genius to conclude that this change was just to lowered seat height without modify all the bike. We can not say that is a mistake for KTM, because if we look, we will find larger number of medium height riders than taller ones. Especially in the americas.Anyway, KTM bike is for anyone shows defects. Bike to love or to hate, never remain indifferent. Undoubtedly a bike for master riders.



And you? Will go to KTM or will stay with the "enemy"?

See you soon!


Photo Credits:1, 4, 5 and 6 - www.autoevolution.com
2 and 3 - www.advrider.com

segunda-feira, 4 de março de 2013

KTM - o quê essa moto tem que as outras não tem?

For english version, click HERE

 
Fazer a pergunta acima, o que a KTM tem que as demais motos não tem, pode ser questão cruel ou quase uma ofensa entre os admiradores da marca. Aliás, este já é um ponto chave da questão: quem tem uma KTM normalmente mostra-se tão apaixonado que não mais lhe importa a existência de outras marcas “concorrentes”. Para KTManíacos a mesma simplesmente não tem concorrentes à altura, pelo que uma KTM não pode ser comparada a nenhuma outra moto.


Certo é que a KTM não é moto indicada para qualquer motociclista. É preciso, antes de mais nada, “amar a terra” já que é em tal terreno que ela se destaca. Se você pretende andar somente no asfalto, então talvez não lhe valha a pena manter uma moto destas. 

Neste post vamos tecer alguns comentários sobre as KTM’s, especialmente as “big trail’s” que como os leitores assíduos já devem ter notado é a predileção de estilo de moto do que lhes escreve este blog.  

Falando então nas motos da marca, de saída já se observa um “pecado”. Ou você opta por motos grandes para viajar ou praticamente não lhe sobra opção. Colocar, por exemplo, uma SM (super motard) no rol de estradeiras, não é a melhor solução. Fato é que a KTM não investe mais em motos médias, ao contrário do que outrora ocorria, quando havia a 640 ST Adventure, moto ainda muito cultuada – apesar de há muito fora de linha – pelos admiradores da marca. Com isso acaba perdendo terreno para outras marcas, em território que poderia também facilmente liderar. Entre 600 e 900 cilindradas, nada há além de uma grande lacuna. Abaixo desta cilindrada, nenhuma outra da marca se mostra apta a encarar longas distâncias sem muito cansar o piloto, pois lógico que você pode optar por uma atual 690 Enduro R, mas vai sofrer um bocado com um banco prá lá de estreito e um minúsculo tanque de míseros 12 litros, incapaz de lhe levar a distâncias maiores do que 250 ou 300km, se tiver a mão muito leve, sem ter de abastecer...

Contudo, mesmo a 690 Enduro R, impressiona e muito! Para começo de conversa estamos falando de uma moto com 690 cilindradas que lhe entrega quase 70 HP’s (a ficha fala em 66), o que para uma moto de apenas 138,5kg é muita coisa. Aliás, é um absurdo, assim como o curso de enormes 250mm das suas acertadas suspensões. Os freios de discos e pistões duplos na frente e simples atrás, são mais do que suficientes para parar a bichana, faltando apenas um ABS para ficar perfeita. Claro que os amantes da marca saltarão em defesa argüindo que seria uma heresia falar em ABS numa moto que foi concebida para andar na terra, onde as derrapagens e bloqueios de rodas são não só necessárias como primordiais para uma pilotagem decente. Na cidade, embora ali não se sinta tão confortável quanto em seu habitat natural, é capaz de fazer miséria. Subir o meio fio à “atropelar velhinhas desavisadas” – como diz amigo meu – é brincadeira de criança e coisa que a grande roda aro 21 tira de letra. Óbvio que com algumas modificações e se você não se importa com a vibração intensa de um motor monocilíndrico socando ininterruptamente (eu particularmente para longas viagens não consigo conceber nada com menos de 2 cilindros, pois já empreendi aventuras com monos e foi um martírio), pode ser uma ótima opção para a estrada, pois a moto certamente lhe levará com segurança – e fará você voltar, o que é o mais importante – a qualquer lugar do planeta. 

Já os que gostam de mais conforto, tem o privilégio (discutível) de maior porte e não abrem mão de uma autonomia razoável, encontrarão na 1190 Adventure uma excelente companheira de viagem, desde que, é claro, não se importem com o fato da "standart" não contar com ABS, lembrando sempre que em uma KTM o que é supérfluo para alguns, é luxo para outros. De cara se vê que a Adventure é capaz de não amedrontar os pilotos mais baixinhos e temerosos, pois a altura de seu banco dista há apenas 860mm do solo (ao contrário de outros modelos onde se tem por vezes mais de 910mm de altura deste). Com um peso de 212 à seco – o que é bem pouco para uma moto deste porte – entrega quase 150HP’s, uma verdadeira patada. Os amortecedores tem curso de confortáveis 190mm e o tanque de 23 litros já é capaz de lhe transportar por mais de 400km sem a necessidade de paradas de abastecimento. Na versão R ela ganha protetores de motor e ABS Combinado, que pode ser desligado para melhor desempenho em estradas de terra. O curso das suspensões aumenta para 210mm à frente e 220mm atrás, mostrando que ela vem mais apta a encarar a terra. Tudo muito bom, desde que tivéssemos essa moto disponível no Brasil. Por hora, este mês o modelo novo aportou nos "dealers" europeus. Pelo ritmo que as coisas normalmente andam atualmente, deve chegar por aqui lá para o final do ano, com sorte. Claro que a importação direta, através dos inúmeros importadores espalhados pelo Brasil, é sempre uma alternativa, ainda mais para aqueles que buscam exclusividade. Cuidado porém para escolher um importador de confiança.

Porém, se é terra o que você realmente quer, é piloto experiente e sabe o valor que uma grande roda frontal com 21 polegadas tem para o off-road, e não está nem um pouco a fim de esperar, então a 990 Adventure ou Adventure R, é a sua moto. A diferença de uma para a outra é basicamente o ABS que volta sempre nas R’s e inexiste nas standart’s, sendo que estas também perdem o sempre bem vindo protetor de motor. O cockpit de ambas é bem arranjado e completo, com boa proteção aerodinâmica proporcionada pela sua bolha frontal. O tanque não é tão grande quanto o da 1190, contando com 19,5 litros, mas considerando que o consumo da mesma é um pouco menor por conta da sua menor cilindrada, a autonomia das 990 é bem próxima com o das suas irmãs. O motor se mostra um pouco mais calmo, com “apenas” 115HP’s, o que é mais do que suficiente se levarmos em consideração seus 207kg (nas 1190 são 10kg a mais).

É preciso lembrar, contudo, que uma roda maior à frente resulta em menor estabilidade na estrada asfaltada, e por conta disso a KTM defende que seu atual modelo 1190 calçada com uma roda de 18 polegadas em nada muda a capacidade dela de encarar o off road, com a vantagem que deixa a viagem em rodovias bem mais confortável. Questão muito discutível na qual eu particularmente me recuso a acreditar, pois penso impossível uma roda menor ter o mesmo rendimento e capacidade de transpor obstáculos do que uma maior. E foi justo neste ponto que houve muito “ranger de dentes” quando a KTM apresentou seu novo modelo. Não era o que seu público estava esperando, e não duvidamos que em um futuro breve retorne ao aro 21 ou, no mínimo, disponibilize kit para a transformação. Claro que não é preciso ser nenhum gênio para se concluir que tal mudança foi para privilegiar a baixa altura do banco sem ter de mexer no restante da moto. Não dá para dizer exatamente que a KTM errou, pois se vamos fazer um levantamento, se observa que existe um número muito maior de pilotos com estatura mediana do que os que ultrapassam os 185 cm. Principalmente no Brasil.

Enfim, a KTM é moto para ninguém colocar defeito. Moto para amar ou para odiar, jamais ficar indiferente. Sem dúvida uma moto para pilotos experientes. 

E você? Vai de KTM ou vai ficar com a “concorrente”? 

Até breve!



Crédito das fotos:
1, 4, 5 e 6 - www.autoevolution.com
2 e 3 - www.advrider.com